As primeiras vacinas do seu cãozinho!

Sempre converso com meus amigos-clientes que o primeiro ano do animal é sempre o mais pesado financeiramente, parte disso se deve as vacinas. Porém, essas são de extrema necessidade para a proteção do animal, do papai e da mamãe. Lembre-se que sai mais barato financeiramente e emocionalmente a prevenção do que a doença, que muitas vezes pode ser fatal.

A vacinação nos cães é muito importante para a prevenção de inúmeras doenças, sendo algumas transmissíveis ao homem (Zoonoses). Ela deve ser feita apenas por um Médico Veterinário, que avaliará se o animal está apto a recebê-la no momento, pois apenas animais saudáveis podem ser vacinados.

vacinacao-focinhos-urbanos

Em geral, os cães devem ser vacinados a partir de 45 dias de vida, com a vacina múltipla, mais conhecida como V8 ou V10. Essa vacina protege contra cinomose, parvovirose, coronavirose, parainfluenza, adenovirose, hepatite infecciosa e leptospirose canina. Os intervalos entre as vacinações variam entre 21 a 30 dias, e são recomendadas 3 ou 4 doses, dependendo do fator de risco e da região em que o animal vive. Depois disso, o cão deve receber uma dose dessa vacina anualmente.

Recomendo a utilização da vacina Puppy (contra cinomose e parvovirose) a partir dos 30 dias, visto que são doenças de alta mortalidade. A Puppy não substituirá a terceira ou quarta dose. É uma dose a mais com intuito de proteger o filhote bem novinho. Temos também a facilidade das vacinas conjugadas (vacina múltipla associada a anti-rábica). Utilizada normalmente na terceira dose ou no reforço anual.

Em algumas regiões é necessário vacinar o animal também contra a Leishmaniose. Essa doença é transmitida através da picada de um mosquito, conhecido como “mosquito palha”, e afeta tanto seres humanos como animais domésticos e silvestres. A Leishmaniose canina é uma doença tratável, mas que não possui cura. Vale ressaltar que a vacina Leishmune foi retirada do mercado. Todos os animais que foram vacinados com ela devem ser revacinados com a Leish Tec.

A vacina da Traqueobronquite Infecciosa Canina (Tosse dos Canis/ gripe canina) é considerada opcional, ou seja, o proprietário é alertado sobre a existência da mesma, e decide junto ao veterinário se deve ou não vacinar o seu animal. Essa doença é altamente contagiosa entre os cães, sendo causada por vários agentes infecciosos, entre eles bacterianos e virais. Os sinais clínicos lembram muito um quadro de resfriado humano, com tosse, espirros, febre, falta de apetite e coriza.

Um fato muito importante, e quem nem todas as pessoas sabem, é que nenhuma vacina tem garantia de 100% de proteção. Apesar de ser a melhor forma de prevenir contra as doenças, ela é apenas uma pequena parte do processo de imunização. Existem casos de animais que não respondem adequadamente as vacinas, e desse modo, não ficam protegidos. Isso pode ocorrer em animais que estejam doentes, com sistema imune debilitado (ou que estejam fazendo tratamento com medicações que deprimem o sistema imune, como a cortisona), ou por características individuais do animal.

Também é importante saber que, qualquer produto injetável, incluindo vacinas, pode causar reações após a aplicação, sejam elas locais ou generalizadas. A mais brandas observadas são: nódulo ou inchaço no local da aplicação, que pode ser dolorido ou não. Também podem ocorrer reações mais sérias, como reação alérgica aguda e choque anafilático.

Caso observe alguma reação, o seu Médico Veterinário deverá ser alertado! Um abraço e ate a próxima!