Cachorros idosos: dicas e comportamentos!

Olá, amigos! Hoje vamos tocar em um assunto delicado, mas presente na vida de todos aqueles que cuidam bem dos seus cachorrinhos. Ela é ingrata, mas chega para nós e também para os nossos amigos: a velhice.

Um cãozinho vive em média de 10 a 15 anos, podendo, em casos raros, chegar a 18 ou 20 anos. Mas o que muda na vida dos cachorros idosos?

doencas-cachorros-idosos

Com a idade chegam os problemas: catarata, olho seco, artrite, seborréia, osteoporose, incontinência urinária e déficit cognitivo são alguns bem comuns. O metabolismo diminui, o trânsito intestinal fica mais lento e uma outra série de problemas:

– O pelo cai e resseca;

– Acontece com mais facilidade alguns problemas dentários;

– As unhas ficam finas, quebradiças e encravam com mais facilidade;

– A pele mancha e fica áspera;

– Aparecem fungos;

– O coração dilata e a pressão arterial sobe;

– O fígado diminui a sua função e os rins já não trabalham tão bem;

– Alguns animais podem apresentar uma disfunção no pâncreas, ocasionando a diabetes tipo 1.

doencas-cachorros-idosos-2

Mas o que fazer?

Depois que a idade chega, a única coisa que se pode fazer é tratar! Porém, bem antes dessa fase chegar, é possível prevenir uma série de doenças. Pode parecer bem básico, mas uma boa alimentação durante toda a vida do animal é fundamental. Vacinar e prevenir contra carrapatos é para vida toda, pois viroses como a cinomose, a parvovirose e a doença do carrapato são responsáveis por mais de 90% dos casos de atendimentos graves na clínica médica. O calazar, que tantos animais levou nas décadas passadas, hoje tem uma forte prevenção com as coleiras repelentes e também com a vacina.

A partir do 7 anos de idade, seu animal é considerado idoso em qualquer raça ou espécie de cachorro. Raças de porte grande sofrem com a idade mais cedo: o peso maior maltrata mais as articulações, o animal sente dor ao levantar, o olfato diminui e ele não escuta mais como antes. As otites em geral ficam mais sérias, e o animal parece mais preguiçoso. É a aposentadoria do seu cão de guarda, fiel companheiro!

O acompanhamento veterinário fica mais necessário nessa fase, pois os exames de rotina devem ser feitos pelo menos uma vez por ano. Dessa maneira, os problemas não se acumulam! Paciência também é fundamental, pois alguns têm que ser medicados por toda vida. Eu tenho alguns pacientes cães de 16 anos e um gatinho de 19 que são tratados com mais cuidados do que um filhote! O tempo para os animais idosos tem outro significado e não queremos diminui-lo.

Cuide bem do seu companheiro, pois ele lhe trouxe alegrias quando jovem e viveu ao seu lado por escolha sua. Você é responsável por ele até o fim e um dia alguém vai cuidar de você como você cuidou dele!