Comidas natalinas: cuidado redobrado com nossos pets

HO HO HO … está chegando uma das épocas mais bonitas e festivas do ano: o natal. Tempo o qual as famílias (humanos e pets) se reúnem e festejam e é claro que muita comida faz parte deste momento.

Embora cães e gatos compartilhem muitos elementos dietéticos com os humanos, nossos pets são intolerantes e altamente sensíveis a determinados alimentos. E as reações a estes variam desde uma alergia alimentar até coma e morte, por isso devemos estar atentos. Este artigo vai trazer para vocês um pouco de informação sobre alguns alimentos/ingredientes comuns na ceia de natal que podem causar intoxicações e processos patológicos nos nossos amigos de 4 patas.

Quando falamos em natal, logo lembramos de luzes, cantos, papai Noel e comida, muita mais muita comida hahaha. Nesse contexto é muito comum aparecerem comidas quase que específicas da época natalina e em termos de comida vários são os protagonistas como o peru, arroz de natal, farofas diversas, frutas cristalizadas, panetone, salpicão, dentre outros. Selecionei algumas comidas mais comuns em termos de intoxicação para vocês estarem atentos sinais clínicos e obviamente evitarem o acesso dos seus pets aos mesmos. 

Começando com os doces em geral, e falando em doces, aparece o nosso velho amigo chocolate. O chocolate tem como principais agente tóxicos as metilxantinas, sendo elas a teobromina, teofilina e a cafeína. Esse grupo de agentes (metilxantinas), atuam principalmente no sistema nervoso central e os sinais de intoxicação costumam aparecer dentro de 6 a 12 horas após a ingestão. Tais sinais são: náusea, vômitos, diarreia, dispneia (dificuldade respiratória), sede e aumento da micção (fazer xixi). Porém progridem para desidratação, inquietação, hiperatividade, arritmias cardíacas, sangramento interno, ataques cardíacos, taquipneia (aumento da frequência respiratória), ataxia (descoordenação de movimento), tremores, convulsões, fraqueza, coma, cianose, hipertensão, hipertermia e, eventualmente, morte. A quantidade elevada de gordura presente no chocolate também pode causar pancreatite. Então gente, nada de doces com chocolate para nossos filhotes ok. 

Falando agora de um ingrediente muito presente na ceia de natal: a uva passa e as uvas in natura em geral. A uva passa faz parte do panetone, arroz de natal, salpicão, farofas natalinas e algumas vezes até no peru de natal. Apesar das uvas conterem princípios ativos benéficos como a procianidina e resveratrol, para os animais são altamente tóxicas, embora o agente tóxico ainda seja desconhecido. Sabemos que casos fatais relacionados a ingestão de passas foram com quantidades em torno de 10 a 57 gramas de fruta por kg de peso do animal. Nosso principal problema é que a ingestão desta fruta causa falha renal em cães e essa patologia está associada a ingestão de 32 g/Kg de peso. Normalmente os primeiros sintomas aparecem com 6 horas após ingestão, porém sempre são evidentes com 24 horas. Os primeiros sinais são vômitos (em quase todos os casos), diarreia com 6 a 12 h após a ingestão, anorexia, dor abdominal, fraqueza, desidratação, tremores e letargia. A falha renal se desenvolve dentro de 24 a 72 horas após a ingestão e uma vez que esta se desenvolve, a maioria dos cães morre ou precisa ser eutanasiado.

Sabemos que as carnes estão presentes na ceia natalina, porem nosso problema não são as carnes, mas os temperos usados em abundância nas mesmas. Selecionei os dois principais que acompanham o peru, o tender, o chester e principalmente o bacalhau. São eles o alho e a cebola.

O alho é considerado ate mesmo menos tóxico para cães quando comparado com a cebola. Os principais princípios ativos do alho são a alicina e o ajoeno, e o principal resultado da intoxicação por alho é a anemia hemolítica. Porém apesar da sua toxicidade reduzida em comparação a cebola, ambos compartilham um agente tóxico chamado propildissulfeto que podem levar a estas alterações hematológicas.

A cebola é mais tóxica, onde para gatos a ingestão de 5g/kg e para cães 15 a 30g/kg já causam alterações hematológicas (anemia). É importante ressaltar que todo o tipo de cebola é perigosa ok. Os sintomas aparecem abruptamente logo após 24 horas da ingestão e são geralmente de gastroenterite: vômitos, diarreia, dor abdominal, perda de apetite, depressão e desidratação. O cão demorará alguns dias a apresentar os sintomas associados à anemia: membranas mucosas claras, frequência respiratória rápida, dificuldade em respirar, letargia, urina de cor escura, etc. Então por favor nada de cebola e alho hein gente.

E por último gente, temos uma bebida apreciada em todo o mundo: o vinho. O vinho possui dois agravantes: contem uva (que já conversamos acima) e álcool. Vamos falar um pouco do perigo do álcool para nosso peludos de 4 patas.

O etanol (álcool), por si só é tóxico a qualquer animal, o que muda é a tolerância metabólico-enzimática ao mesmo. De forma breve o etanol causa alterações no sistema nervoso central e sinais clínicos como ataxia, letargia, sedação, hipotermia, acidose metabólica, vômitos, diarreia, respiração deficiente, insuficiência hepática, coma e morte.

Então gente aproveitem bem esta maravilhosa época e espero que estas pequenas dicas ajudem a vocês terem um natal mais seguros para seus filhos de 4 patas. Boas festas!!! 

Rodrigo Rodrigues

Médico Veterinário formado na Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), certificado pela Sociedade Latino Americana de Medicina Veterinária de Emergência e Cuidados Intensivos  (LAVECCS) no ABC Trauma. Curso online de Medicina de Urgência e Intensiva de Pequenos Animais – EQUALIS. Mestrando em Farmacologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e Médico Veterinário Emergencista e Cirurgião da Clínica Pró Vida Animal. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *