Dermatite alérgica à picada de pulgas: o que fazer?

A pulga é um pequeno inseto de coloração negra que não voa. Eu sempre brinco que sai correndo, diferente do carrapato que fica fixado no pet. Ele se alimenta do sangue dos nossos amigos.

Além da “coceira” por conta das picadas das pulgas e que levam ao aparecimento ou não da doença alérgica conhecida como DAPE (Dermatite Alérgica à Picada de Ectoparasitas) esta é uma doença dermatológica muito comum em cães e gatos e deve sempre ser considerada como um agravante nos casos de infestações por estes parasitas. 

Dermatite alérgica à picada de pulgas: o que fazer?

Além disso, os animais podem sofrer com doenças que colocam em risco sua saúde, pois as pulgas podem transmitir verminoses e bactérias, bem como provocar anemia em filhotes altamente parasitados.

A Dermatite alérgica à picada de pulga se dá por uma  reação alérgica a substâncias presentes na saliva das pulgas. Tais substâncias são inoculadas na pele enquanto as pulgas se alimentam do sangue do cão ou gato.

O principal sintoma é a coceira (prurido) com intensidade que varia de moderada a intensa. Ao se coçar o animal pode lesionar a pele, levando ao aparecimento de feridas e crostas. O que pode levar a falhas na pelagem. As regiões mais afetadas são cauda, região anal, dorso, coxas, abdômen e pescoço. Então fiquem de olho ao aparecer lesões nesses locais.

A melhor forma de tratar é evitando que o pet seja picado, logo, devemos usar repelentes inseticidas. Na escolha desses devemos levar em consideração a frequência de aparecimento das pulgas no pet. Exemplo: se o ambiente em que vive apresenta muitos desafios, presença de gatos errantes, passeios em locais com grama ou praças eu indicaria a utilização de comprimidos orais tais como Bravecto ou Credelli. Se o ambiente que ele vive é bem controlado, as coleiras repelentes desempenham bem esse papel de prevenção.

Dra. Juliana Furtado Lima Verde

Graduada em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Pós-graduada em Dermatologia veterinária – EQUALIS.
Mestranda pela UECE. Membro da Associação Brasileira de Dermatologia Veterinária. Atua na clinica médica, dermatologia e cirúrgica de pequenos animais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *