Displasia Coxofemoral: saiba mais sobre essa doença ortopédica!

A displasia coxofemoral é uma das principais doenças ortopédicas que acometem os animais de estimação, que causa uma má formação da articulação do quadril. É normalmente encontrada em cães de raça de grande porte, como Pastor Alemão, Golden Retriver, Labrador, contudo raças menores e gatos também estão sujeitos a sofrer do distúrbio.  Pode acometer desde os filhotes aos animais mais idosos.

displasia coxofemoral

Ela pode ser causada por diversos fatores como:

– Hereditariedade: não é aconselhado que animais diagnosticados com qualquer grau de displasia, reproduzam.   

– Dieta alimentar: por isso é importante uma ração de qualidade ou uma alimentação natural equilibrada, para não faltar nenhum nutriente necessário para o desenvolvimento do animal.

– Manejo inadequado: aqui podemos citar o piso liso da maioria das casas que faz com que o animal escorregue e sobrecarregue a articulação do quadril. Também temos a obesidade como fator importante para o desenvolvimento dessa doença. 

O proprietário chega na clínica veterinária relatando que o animal está com dificuldade em levantar-se, diminui as brincadeiras, costuma observar um andar “rebolante”. Em graus mais avançados o animal apresenta dor, claudicação, até deixar de usar o membro afetado.

O diagnostico da displasia coxofemoral é baseado no quadro clínico do animal juntamente com alguns testes feitos pelo veterinário e também pela realização de uma radiografia simples de quadril. Na radiografia é possível observar o nível de instabilidade na articulação coxofemoral, sendo assim classificados em graus. 

De acordo com o grau da doença e o desgaste por ela causado é feito um plano de tratamento. Nos casos mais simples pode-se usar medicamentos, mudança de piso, caso o animal viva em piso liso, controle de peso e fisioterapia para fortalecer a musculatura das patas traseiras desse animal. 

Em casos mais graves é necessário a realização da cirurgia. De acordo com a idade e o tamanho do animal é decidido que técnica cirúrgica tem melhor resultado e recuperação. A fisioterapia após a cirurgia é fundamental para a melhor recuperação do paciente. Em ambos os casos o prognóstico é excelente.

Não deixe de seguir os Focinhos Urbanos também no Instagram!

Dra. Ramille Marques

Graduada em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Pós-graduada pelo Instituto Brasileiro de Reabilitação Animal (IBRA).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *